terça-feira, 28 de março de 2017

Asnécio, a história, assim como ocorrido com Silvério dos Reis, lhe fará justiça.

GilsonSampaio


Romeu Campos    27 de março de 2017 21:39


Bons tempos quando tínhamos uma condessa a frente de um órgão de informação. Condessa Pereira Carneiro e o JB travaram luta contra esta praga que hoje domina a nação. 

Tal de oligopólio midiático. 

Hoje temos consciência de que infelizmente se tratou de luta inglória. Houvesse hoje um órgão como o JB daqueles tempos e esta escumalha de cabeça oca o tarjaria de ferramenta de comunistas. Eles todos se merecem ou são merecedores de: mídia golpista, coxinhas paneleiros, terceirizados quarteirizados, aposentados sepultos, Aécistas, Bolsonaristas, Temeristas. 

A tragédia que ora aqui ocorre já estava em andamento na Europa. 

E os paneleiros antolhados e conduzidos por toda esta picaretagem midiática, seguiram direto para o abatedouro e, desculpe o elevado calão em se tratando de quem se trata, foderam com meio mundo junto. 

Escracharam com a democracia, onde eleitos de mãos e pés limpos são derrubados segundo os interesses da reencarnação do espírito traíraço histórico de Joaquim Silvério dos Reis, incorporado no Asnécio Never(more) destes nossos insanos dias, mancomunado com todos os saqueadores das Terras de Vera Cruz.


Asnécio, a história, assim como ocorrido com Silvério dos Reis, lhe fará justiça. Tenha um pouco de paciência.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Complexo de vira-latas na sua expressão mais vil

Sangguessugado do Senhor X

Brasil ocupado

Fernando Rosa

A matéria publicada no jornal Estadão neste sábado não deixa mais qualquer dúvida sobre o caráter insidioso e lesa-Pátria da Operação Lava Jato. “Odebrecht começa a ter operação monitorada”, diz a chamada, seguida da informação de que “profissionais indicados pelo MPF, do Brasil, e DoJ, dos EUA, farão plano de trabalho” – por três anos. O DoJ é o equivalente ao Ministério da Justiça no Brasil e, portanto, se reporta diretamente aos chefes do governo norte-americano.

A Odebrecht Defesa é, ou era, responsável pela construção do submarino nuclear, e sua controlada, a Mecatron, pelos mísseis nacionais. A empresa foi uma das primeiras atingidas pela Operação Lava Jato, com a prisão de seu presidente, condenado a 23 anos, Marcelo Odebrecht, ainda na cadeia. Na sequência, o responsável pelo projeto do submarino nuclear, Almirante Othon, também foi preso e condenado à 43 anos, ou seja, à prisão perpétua.

A agenda que desembocou na situação atual, já estava em andamento em 2015, como já dissemos em artigo anterior. Na época, o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, encontrou-se com Leslie Caldwell, procuradora-adjunta da Divisão Criminal do Departamento de Justiça dos EUA, ex-sócia do escritório Morgan Lewis de Nova York. O escritório é especializado em contenciosos no setor de energia, especialmente nuclear.

Na sequência do encontro, a Operação Lava Jato apontou para a Eletronuclear, deflagrando a “Operação Radioatividade”, com objetivo de investigar suspeitas na área nuclear. Em 2 de abril de 2015, dois meses após a visita de Janot aos EUA, o almirante Othon Luiz Pereira da Silva foi denunciado, preso e condenado a 43 anos de prisão. O Almirante Othon é velho alvo da CIA, desde os anos oitenta, quando a agência manteve um agente, Ray H. Allar, morando no apartamento ao lado do seu, em São Paulo.

Não bastasse isso, o juiz Sergio Moro também autorizou o compartilhamento de delações premiadas de empresários brasileiros com autoridades estrangeiras. Segundo matérias da imprensa, Moro autorizou conversas feitas diretamente com o Departamento de Justiça dos EUA, sem passar pelo Estado brasileiro, como prevê a lei. A situação só veio a público, contra a vontade do juiz, depois de denúncia dos advogados do ex-presidente Lula, durante os depoimentos.


Segundo a matéria do Estadão, “os dois monitores independentes vão analisar o que a empresa está fazendo em termos de compliance e traçar seu plano de trabalho – que será entregue às autoridades no fim de abril”. Diz ainda a matéria que “embora sejam financeiramente bancados pela empresa, os dois monitores são independentes e prestam contas apenas ao Ministério Público e ao DoJ”. Em resumo, o país foi invadido, seu setor de ponta da Defesa Nacional ocupado e, se nada for feito, acabará destruído.

domingo, 26 de março de 2017

O que terá feito a mãe desse menino?

GilsonSampaio

O que terá feito a mãe desse menino? Foi presa com 10 g de maconha, 3 papelotes de coca, roubou um pacote de fraldas, matou alguém, roubou um banco...

Acho que o crime maior  foi ser pobre e não participar do tráfico... de influência.


quinta-feira, 23 de março de 2017

Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho: terceirização

feicibuqui da Camille Helena Claudel


NOTA PÚBLICA



A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho – ANAMATRA, entidade que representa cerca de 4 mil juízes do Trabalho, tendo em vista a aprovação, na noite desta quarta-feira (22/3), do Projeto de Lei (PL) nº 4.302/1998, que regulamenta a terceirização nas atividades meio e fim, bem como na iniciativa privada e no serviço público, vem a público se manifestar nos seguintes termos:

1 – A proposta, induvidosamente, acarretará para milhões de trabalhadores no Brasil o rebaixamento de salários e de suas condições de trabalho, instituindo como regra a precarização nas relações laborais.

2 – O projeto agrava o quadro em que hoje se encontram aproximadamente 12 milhões de trabalhadores terceirizados, contra 35 milhões de contratados diretamente, números que podem ser invertidos com a aprovação do texto hoje apreciado.

3 - Não se pode deixar de lembrar a elevada taxa de rotatividade que acomete os profissionais terceirizados, que trabalham em média 3 horas a mais que os empregados diretos, além de ficarem em média 2,7 anos no emprego intermediado, enquanto os contratados permanentes ficam em seus postos de trabalho, em média, por 5,8 anos.

4 – O já elevado número de acidentes de trabalho no Brasil (de dez acidentes, oito acontecem com empregados terceirizados) tende a ser agravado ainda mais, gerando prejuízos para esses trabalhadores, para a Sistema Único de Saúde e para Previdência Social que, além do mais, tende a sofrer impactos negativos até mesmo nos recolhimentos mensais, fruto de um projeto completamente incoerente e que só gera proveito para o poder econômico.

5 - A aprovação da proposta, induvidosamente, colide com os compromissos de proteção à cidadania, à dignidade da pessoa humana e aos valores sociais do trabalho previsto no artº 1º da Constituição Federal que, também em seu artigo 2º, estabelece como objetivos fundamentais da República construir uma sociedade livre, justa e solidária e a erradicar a pobreza, a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais.

6 – Por essas razões, a Anamatra lamenta a aprovação do PL nº 4302/98, na certeza de que não se trata de matéria de interesse da população, convicta ainda de que a medida contribuirá apenas para o empobrecimento do país e de seus trabalhadores.

7 – Desse modo, a ANAMATRA conclama o Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Dr. Michel Temer, a vetar o projeto, protegendo a dignidade e a cidadania.

Brasília, 22 de março de 2017

Germano Silveira de Siqueira


Presidente da Anamatra

quarta-feira, 22 de março de 2017

Eles sabiam, e alimentaram o monstro fascista.

GilsonSampaio

Eles sabiam. 

Sabiam desde há muito do fascismo do justiceiro do Paraná. 


Claro que se trata das togas mal-cheirosas do STF.

E, ainda assim, permitiram toda a sorte de arbitrariedades do justiceiro fascista em favor do impeachment.

Neste vídeo pode-se tomar aconhecimento do comportamento megalomaníaco do justiceiro através das denúncias dos magistrados, por exemplo: suspeição, desobediência a decisões da instância superior a ele, desvio de função ao tomar pra si o papel de investigador, espionagem e monitoramento da defesa...

Eles sabiam, e alimentaram o monstro fascista.